19 de nov de 2010

Governo: Dilma 1 x 0 PIG

A presidente eleita, Dilma Rousseff, não é uma técnica de futebol, mas tem consciência de como comandar o time. A estratégia é garantir as políticas conquistadas no governo Lula e expandí-las até 2014.

Márcio Pochmann, presidente do IPEA, prevê que em cinco anos a pobreza sera erradicada. Dilma quer reduzir essa meta para dois anos. Enquanto isso, na mídia, os "miseráveis" são culpados por acidentes de trânsito (clique aqui para ler).

Para evitar baixaria e terrorismo eleitoral, Dilma vai definir primeiro a equipe das áreas econômicas e das estatais. Banco Central, Banco do Brasil, Caixa Econômica e Ministério da Fazenda serão prioridade.

A imprensa golpista escreveu nas últimas semanas que o nome mais indicado para a Fazenda seria Antônio Palocci (o FHC light e de esquerda). Mas Dilma convidou Guido Mantega - atual ministro - para permanecer na pasta. E ele aceitou.

Além disso, Dilma botou Temer e o PMDB no seu lugar. A estratégia de governo quem traça é ela. Por isso, a área econômica não ficará com os aliados. A mídia correligionária de Serra quer a permanência de Meirelles no BACEN, mas Dilma não vai mantê-lo.

Os nomes mais indicados para a autarquia são Luis Carlos Trabucco ou Otávio de Barros, do Bradesco (perfis de operadores de mercado) ou Fábio Barbosa (área pública). Em último caso, o nome de Alexandre Tombini foi cotado, por ser do próprio BC.

Pode haver mudanças na Caixa Econômica Federal (CEF) e também no Banco do Brasil (BB). Embora deseja manter Aldemir Bendine na presidência do BB, ele está cotado para assumir a Vale no lugar de Roger Agnelli, caso saia.

Já na CEF, Maria Fernanda Ramos Coelho, atual presidente, pode não ficar, pois foi muito criticada na reunião do Conselho Político na liberação das obras do programa Minha Casa, Minha Vida.

Analisando as escolhas, Dilma vai na contra-mão proposto pelo PIG. É sinal de que a Ley de Medios vem se tornando inevitável.

Vamos ver quais pastas serão gerenciadas pelo PMDB. A conferir nas próximas semanas.

Eduardo Pessoa

Nenhum comentário:

Postar um comentário