24 de nov de 2010

Distritais e o terrorismo eleitoral

A Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) tem projetos a serem aprovados até o final do ano.

Entre eles estão a PLDO - Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias, para o ano que vem, e a proposta de empréstimo de US$ 55 milhões junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para infraestrutura e saneamento no DF.

Nenhum dos deputados compareceu a sessão de hoje, para votação dos projetos. Nem mesmo os correligionários de Agnelo Queiroz apareceram.

Enquanto isso, o rombo de R$ 800 milhões deixado por Arruda e Rogério Rosso na saúde pública parece não ter importância.

O governo interino precisa zerar as contas até a posse de Agnelo. Cadê os distritais para votarem os projetos de desenvolvimento local? Alguma idéia para os distritais? A legislatura ainda não acabou.

Conforme o Regimento Interno da casa, Art. 4º, "A Câmara Legislativa, reunir-se-á, em sua sede, ordinariamente, de 1º de fevereiro a 30 de junho e de 1º de agosto a 15 de dezembro e, extraordinariamente, nos casos previstos na Lei Orgânica."

Enquanto isso, 80 mil servidores do GDF podem ficar sem pagamento, por conta de atualização cadastral. Cadê os deputados pedindo providências?

Renovar a Câmara e resgatar a imagem diante da sociedade é o primeiro passo para a moralização dos políticos locais. Pelo jeito, perderam a primeira oportunidade.

Eduardo Pessoa

Nenhum comentário:

Postar um comentário